Políticos ignoram regra que obriga fidelidade partidária 

Reportagem divulgada nesta segunda-feira pelo jornal O Estado de S.Paulo afirma que, preocupados com as eleições de 2012, políticos ignoram regra que obriga fidelidade partidária. Chamada de corrida de políticos "infiéis", a prática foi recorrente em setembro e outubro deste ano, período próximo ao fim do prazo para a filiação partidária dos que querem disputar cargos em 2012. 

No período centenas de prefeitos, vereadores e subprefeitos teriam trocado de legenda. A determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) que diz que os mandatos pertencem aos partidos e não a quem os exerce estaria sendo ignorada.

A Procuradoria-Geral Eleitoral estima que pelo menos 798 representações foram protocoladas apenas neste ano por integrantes do Ministério Público em seis Estados. Só em São Paulo foram 128 ações, sendo quatro contra prefeitos de cidades do interior. As representações pedem que os políticos percam seus mandatos. 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registra 2.293 processos sobre infidelidade, sendo que no plano federal apenas um deputado perdeu o mandato na Câmara.