Dilma defende boa relação e nega ter lido 'Privataria Tucana'

Em nome da defesa do "bem comum", a presidente Dilma Rousseff defendeu nesta sexta-feira em conversa com jornalistas que cobrem a Presidência, uma relação "civilizada" com a oposição. "Não é preciso ter uma mesma posição para conversar com alguém", disse.

A presidente deu o exemplo da votação da elevação do teto da dívida americana, como sinal de modelo "incivilizado". "Você não pode supor que um país pode ter um susto como o episódio como aquele do teto da dívida", disse.

Dilma avaliou como republicana a relação que mantém com os governadores de oposição. "Como o problema de São Paulo não é meu? Como o de Minas Gerais não é meu?", indagou. Ambos os Estados citados são governados pelo PSDB.

Questionada se teria lido o livro "Privataria Tucana" de Amaury Júnior, Dilma negou e desconversou. "Não li nem o meu", referindo-se à biografia escrita pelo jornalista Ricardo Amaral.