Dilma não pode decidir apenas com uma folha, diz Maia sobre Lupi

O presidente da Câmara dos Deputados e presidente em exercício, Marco Maia (PT-RS), afirmou nesta sexta-feira que a chefe do Poder Executivo, Dilma Rousseff, não pode decidir o futuro do ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT), "olhando apenas para uma folha de papel", em alusão à recomendação de demissão feita pela Comissão de Ética Pública da Presidência. Ele afirmou ainda ser preciso respeitar a decisão da comissão, que "está lá para fazer o seu papel, o seu trabalho. A presidente Dilma está corretíssima quando pediu mais informações".

A nova denúncia contra o ministro dá conta de que ele foi funcionário fantasma da Câmara dos Deputados por quase seis anos. Conforme o jornal Folha de S. Paulo , Lupi foi lotado na liderança do PDT de dezembro de 2000 a junho de 2006, mas no período exercia atividades partidárias como vice-presidente da sigla.

Funcionários do partido em Brasília confirmaram que ele não aparecia no gabinete da Casa e se dedicava apenas a tarefas partidárias. Parlamentares afirmaram que nunca tinham ouvido falar que o ministro havia sido contratado pela Câmara nesse período. As normas dizem que ocupantes desses cargos devem exercer funções técnicas e precisam trabalhar nos gabinetes.

O petista afirmou que na próxima semana irá instalar um grupo de investigação para apurar eventuais irregularidades. "Na segunda-feira vou nomear um grupo de servidores que vai ter a responsabilidade de investigar toda a situação envolvendo o ministro Lupi para que possa olhar a legislação, as circunstâncias da contratação do ministro Lupi na Câmara dos Deputados e também buscar as informações junto à prefeitura do Rio de Janeiro, à Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro para poder ter um quadro completo sobre a situação da contratação".

"A partir dessas informações todas é que vamos tomar uma decisão sobre quais as medidas a tomar no sentido de investigar mais aprofundadamente essa situação. Nossa situação é averiguar toda a realidade vivida pelo ministro Lupi dentro da Câmara dos Deputados", disse.

"Acho que o ministro Lupi tem respondido a todos os questionamentos, a todas as denúncias que têm saído em relação a ele, e a expectativa de todos é que ele continue respondendo. Esta é mais uma denúncia que precisa ter uma resposta, uma explicação porque é sabedor de todo servidor público que não é possível se acumular duas funções ou ter dois empregos. Vamos olhar também o que a legislação dizia, porque a legislação vem mudando muito, vem se alterando a cada ano", afirmou.