Lupi nega viagem financiada por coordenador de ONGs

Acusado de ter usado um avião privado - alugado pelo fundador das organizações não-governamentais (ONGs) Fundação Pró-Cerrado e Renapsi -, o ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT), negou a versão em uma nota divulgada neste sábado. Reportagem da revista Veja deste fim de semana aponta que, após a viagem de Lupi no jatinho, Adair Meira, coordenador das ONGs, ganhou um contrato com a pasta.

Lupi disse em nota que "nos dias 11, 12 e 13 de dezembro de 2009, esteve no Estado do Maranhão para agendas oficiais e partidárias e que seu transporte de Brasília para São Luiz (MA) aconteceu em voo regular da companhia aérea TAM, conforme bilhete apresentado."

A nota vem acompanhada de três fotos, uma delas do próprio bilhete aéreo com os dados de Lupi e das duas viagens, a de ida e volta, tendo este última a origem de Curitiba (PR). O documento segue dizendo que os todos deslocamentos realizados no Maranhão para agendas foram de responsabilidade do Diretório Regional do PDT, do ex-governador Jackson Lago e do deputado federal Weverton Rocha.

O ministro diz ainda que desconhece que seu ex-assessor Ezequiel Nascimento, então secretário de Políticas Públicas de Emprego do MTE, tenha solicitado avião particular para que ele o acompanhasse na agenda. "Importante esclarecer também que o responsável, conforme a revista Veja afirmou, pelo empréstimo do avião, à época não tinha nenhum tipo de relação com convênios do ministério", diz a nota.