OAB-SP cobra garantia do Estado para jornalismo em área de risco

A Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo (OAB-SP) lamentou nesta segunda-feira, por meio de nota de seu presidente, Luiz D'urso, a morte do cinegrafista da Band Gelson Domingos da Silva. Nela, a entidade afirmou que o exercício profissional do jornalismo em áreas de conflito "tem que receber mais garantias por parte do Estado para propiciar aos profissionais o desempenho de sua missão, sem que coloquem em risco a própria vida".

"O exercício profissional do jornalismo, mesmo em condições adversas, deve ser assegurado sempre para que os brasileiros continuem a ser, cada dia mais, cidadãos informados e participativos, contribuindo, assim, para alicerçar uma sociedade dotada de mais direitos e liberdades", disse o comunicado.

O cinegrafista foi baleado no domingo, enquanto cobria uma operação policial na favela Antares, zona oeste do Rio. Apesar de usar colete a prova de balas, o tiro de fuzil ultrapassou a proteção. A vítima tinha três filhos - um adolescente de 16 anos e duas jovens, uma de 22 e outra de 20 anos - e dois netos. O objetivo da operação era checar informações da área de Inteligência do Bope (Batalhão de Operações Especiais) e do Choque de que líderes do tráfico fortemente armados se reuniam no local.