Psol pede investigação de denúncias da revista 'Veja' contra  deputado 

O líder do Psol, deputado Chico Alencar (RJ), pediu a investigação de denúncias de uso indevido de verbas parlamentares e da prática de nepotismo cruzado pelo deputado João Carlos Bacelar (PR-BA). As denúncias foram publicadas pela revista Veja desta semana.

A investigação sobre o nepotismo foi solicitada ao presidente da Câmara, Marco Maia. Conforme a revista, Bacelar nomeou em seu gabinete, como secretárias parlamentares, a mãe e a irmã do deputado estadual Nelson Leal (PSL-BA). Já Nelson Leal nomeou em seu gabinete, na Assembleia Legislativa da Bahia, a mãe e um tio de João Bacelar. Se confirmada, essa prática fere a súmula antinepotismo do Supremo Tribunal Federal.

Além disso, segundo a reportagem, Bacelar nomeou para seu gabinete uma "laranja" em emissora de rádio de sua propriedade na Bahia (Norma Suely da Silva) e uma empregada doméstica da sua família em Salvador (Maria do Carmo).

Chico Alencar também protocolou requerimento endereçado ao Tribunal de Contas da União (TCU) solicitando a prestação de contas e o processo licitatório sobre sete emendas ao Orçamento feitas pelo deputado Bacelar entre os anos de 2008 e 2011. De acordo com a Veja, uma vez liberado o recurso público, a prefeitura beneficiada contrata a Empresa Brasileira de Terraplanagem e Construções Ltda. (Embratec), que seria de propriedade de Bacelar. 

Hoje, o Psol protocolará ofício na Controladoria-Geral da União (CGU) pedindo informações sobre a utilização dos recursos provenientes das sete emendas de João Bacelar. Segundo Chico Alencar, é necessária uma análise detalhada dos contratos firmados.