Movimentos sociais participam manifestação dos aeroportuários

Movimentos sociais, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a Marcha Mundial de Mulheres, e o Movimento dos Atingidos por Barragens vão fazer na noite de quarta-feira (19) um ato nos aeroportos internacionais de Guarulhos e Campinas em protesto pela privatização dos terminais. A ação das organizações civis ocorrerá horas antes dos aeroportuários iniciarem uma paralisação de 48 horas, prevista para a zero hora de quinta-feira (20).

“Sabemos dos males que acompanham os processos de privatização, que vai desde a elevação dos custos aos consumidores até a precarização do trabalho e a diminuição da segurança nos voos. Além do mais, não podemos deixar que o governo volte às eras das privatizações, como foi nos anos 1990”, disse João Paulo Rodrigues, da coordenação nacional do MST. O movimento deverá deslocar, ao menos, três ônibus de ativistas sem-terra aos aeroportos de Guarulhos e Campinas.

A paralisação de 48 horas dos aeroportuários deverá ocorrer nos aeroportos de Guarulhos (SP), Campinas (SP) e Brasília. Os aeroportuários são contra o modelo de privatização dos aeroportos aprovado pela presidenta Dilma Rousseff.

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) informou que vai manter um plano de contingência para garantir a capacidade de operação dos três terminais durante a paralisação dos funcionários.