Mesmo sem cinzas, mais de 20 voos são cancelados em Porto Alegre

Até as 11h desta quarta-feira, sete chegadas e 14 partidas foram canceladas, e outros seis voos estavam atrasados no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, apesar das cinzas do vulcão chileno Puyehue não interferirem mais no espaço aéreo desde ontem. Segundo informações da Infraero as companhias aéreas TAM, Gol e Avianca foram responsáveis pelos cancelamentos, apesar do aeroporto funcionar normalmente desde a noite de terça-feira.

Acomodada em uma cadeira, a assistente social Isabel Angelim, 43 anos, chegou ao aeroporto por volta das 5h e descobriu que seu voo para Pernambuco havia sido cancelado pela Avianca. "Eles me sugeriram que mudasse a data do meu voo, mas disseram que não pagariam as despesas com hospedagem porque o cancelamento foi provocado por fenômeno da natureza", reclamava.

No entanto, alguns já enfrentavam os problemas causados pelas cinzas vulcânicas desde segunda-feira. É o caso do estudante Luiz Fernando Medeiros, 25 anos, que deixou a cidade de Buenos Aires na manhã desta quarta em direção a Minas Gerais. "Nosso voo estava previsto para voltar na segunda-feira, mas por causa do cancelamento, só conseguimos vaga hoje", diz.

O médico Glauber Lourenço, 34 anos, que também veio da Argentina, diz que a companhia aérea pela qual viaja, a Gol, não deu nenhum tipo de assistência para quem ficou prejudicado pelo vulcão. "Tivemos que pagar o hotel do nosso próprio bolso porque a companhia foi omissa, quem não tinha dinheiro, teve que se virar", diz. Segundo ele, um casal saiu da Argentina de ônibus para voltar para Porto Alegre.

A assessoria de imprensa da Avianca estava em reunião e não pôde responder sobre o cancelamento dos voos até a publicação da matéria. Na TAM e na Gol, ninguém foi encontrado para falar sobre os cancelamentos.