Cinzas de vulcão chileno cobrem carros e cancelam voos em SC

Florianópolis - As cinzas do vulcão chileno Puyehe chegaram a Santa Catarina e além de causarem uma série de cancelamentos de voos, fizeram com que muitos carros amanhecessem cobertos de poeira branca.

As cinzas foram notadas em várias cidades, como Florianópolis, Içara, Criciúma, Blumenau e Joinville. Na capital, o Aeroporto Internacional Hercílio Luz, teve onze voos cancelados na manhã desta quarta-feira.

As operações no terminal catarinense, segundo a Infraero, não foram suspensas. O cancelamento dos voos, segundo a estatal, é uma decisão das companhias aéreas. As cinzas fizeram com que passageiros de aeronaves da Gol, TAM e TAP não conseguissem deixar Florianópolis. Apesar dos cancelamentos, o movimento no aeroporto é considerado normal.

De acordo com as informações do Centro de Recursos Ambientais de Santa Catarina (CIRAM), as cinzas do Puyehue foram trazidas ao sul do Brasil por um jato polar. "Com a estabilidade do ar em níveis inferiores, devido ao sistema de alta pressão que atua sobre a boa parte da Argentina, Uruguai e sul do Brasil a cinza vulcânica acaba fazendo parte da nevoa seca (com umidade relativa do ar entre 50 e 60%) que vem sendo observada em baixos níveis da atmosfera e próximo à superfície do Meio-Oeste ao Litoral catarinense", afirma a meteorologista Marilene de Lima.

A "névoa seca" estaria limitando as operações de aeronaves por estar com teto entre 3 mil pés (cerca de 900 metros). "A visibilidade reduziu para quatro quilômetros na horizontal, o que limita a operação visual de pousos e decolagens no estado", disse, acrescentando que as cinzas vulcânicas devem se dissipar no decorrer desta quarta.