Ministra: governo confia em esclarecimentos de Orlando Silva

Pressionado a prestar esclarecimentos sobre seu suposto envolvimento em um esquema de corrupção para a liberação de recursos públicos para organizações não-governamentais (ONGs), o ministro do Esporte, Orlando Silva, informou nesta segunda-feira à ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que pediria à Procuradoria Geral da República que o investigasse. No domingo à noite, a própria Gleisi havia ouvido as primeiras explicações de Silva sobre as denúncias e hoje disse confiar que o colega de Esplanada irá prestar todos os esclarecimentos sobre o caso.

"O governo confia que o ministro prestará todos os esclarecimentos sobre o assunto. Ele tem demonstrado disposição para isso", disse a ministra por meio de sua assessoria.

O denunciante do suposto esquema, João Dias Ferreira, foi um dos cinco presos no ano passado pela polícia de Brasília sob acusação de participar de desvios de recursos destinado a um programa da pasta. Investigações passadas apontavam diversos membros do PCdoB como protagonistas das irregularidades, na época da Operação Shaolin, mas é a primeira vez que o nome do ministro é mencionado por um dos suspeitos. Ferreira, por meio da Associação João Dias de Kung Fu e da Federação Brasiliense de Kung Fu, firmou dois convênios, em 2005 e 2006, com o Ministério do Esporte.

De acordo com Ferreira, o esquema utilizava o programa Segundo Tempo para desviar recursos usando ONGs como fachada. Orlando Silva foi apontado como mentor e beneficiário desse esquema. As ONGs receberiam verbas mediante o pagamento de uma taxa que podia chegar a 20% do valor dos convênios. Silva teria recebido, pessoalmente, dentro da garagem do ministério, uma caixa de papelão cheia de cédulas de R$ 50 e R$ 100 provenientes da quadrilha. Parte desse dinheiro, acusa a revista Veja, foi usada para pagar despesas da campanha presidencial de 2006.