Senadora Kátia Abreu: adversários do PSD ficaram decepcionados com decisão do TSE

Por decisão do Tribunal Superior Eleitoral na noite desta terça-feira (27), está criado o Partido Social Democrata (PSD). Conquistada a maioria de votos favoráveis, a senadora Kátia Abreu (TO) comemorou o sucesso: "Não havia como não prevalecer a lógica e a razão", disse à Terra Magazine.

O PSD, liderado pelo prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, será o 28º partido brasileiro. Quando fundado em cerimônia simbólica em abril, a legenda já contava com mais de 30 deputados, dois senadores, cinco vice-governadores e um governador. Boa parte dos políticos com mandato é composta por dissidências do Democratas, partido que combateu a criação do PSD e chegou a apresentar ao TSE denúncias de compra de assinaturas.

- Nossos adversários ficaram decepcionados porque tentaram lutar contra uma realidade e contra uma lei - contesta Kátia Abreu. A parlamentar e ex-DEM diz que houve uma "tentativa explícita" de impedir sua nova sigla de disputar as eleições municipais de 2012.

Para que o PSD pudesse ter candidatos no próximo pleito, era preciso que o registro fosse feito até 7 de outubro. A demora na decisão do TSE já causava abalos nas possíveis filiações. A própria senadora reconheceu, à revista Veja, que passou seus últimos dias tentando acalmar pré-candidatos a prefeito e vereador em seu Estado que corriam o risco de não poder disputar o pleito.

A relatora do processo no TSE, ministra Nancy Andrighi, reconheceu 514.932 assinaturas - mais do que as 491.643 necessárias para a homologação do partido. O ministro Marco Aurélio Mello foi contra. Para ele, o aval às rubricas deve ser dado pelos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs), e não pelos cartórios eleitorais, como considerou Nancy. O parecer da relatora foi acompanhado pelos outros cinco ministros. A senadora Kátia Abreu evita falar do embate: "O partido cumpriu todos os prazos, trâmites e pré-requisitos, seria contra a lógica dos argumentos", conclui.