Vítimas da enchente de 2008 se esforçam para ajudar amigos em SC

Vítimas da enchente de 2008 em Santa Catarina enfrentaram água na cintura neste sábado para levar mantimentos aos moradores que permanecem ilhados em bairros de Itajaí.

A região do Promorar, localizada às margens da BR-101, é uma das mais atingidas na cidade. Leda Maria Silva e Ilzete Tolentino, que sofreram com a enchente de novembro de 2008, se deslocaram à região para levar comida e água a familiares. Cansadas de esperar por um bote, as duas usaram uma tábua para colocar os mantimentos e enfrentaram as águas do rio Itajaí-Mirim.

Leda, 50 anos, conta que perdeu tudo o que tinha em 2008. Há um ano e quatro meses, ela se mudou para outro bairro, que não foi afetado, mas muitos amigos e familiares ficaram na região que inundou na última sexta-feira. "Tenho sobrinhos e neto pequenos que estão por lá e não podia deixá-los. Também tenho muitos amigos por ali", disse. "Os Bombeiros pediram para eu que esperasse um bote chegar. Fui, entreguei tudo, fiquei uma hora por lá e o bote chegou quando eu estava voltando".

A orientação da Defesa Civil é a de que as pessoas aguardem pelo transporte com os botes dos Bombeiros ou voluntários. Leda disse saber ter contrariado as normas, mas não se arrepende. "Em 2008 eu perdi tudo e tive ajuda para me levantar e poder recomeçar", disse. "Me mudei, estou bem e chegou a minha vez de ajudar os outros".

A dona de casa Ilzete destacou que não pensou duas vezes antes de enfrentar a água para ajudar os amigos. "Carreguei um galão de água de cinco litros, que parecia nem pesar", disse. "Não vou esperar. Sei o que é ficar debaixo de água esperando por socorro".