Após 10 anos, família de Toninho do PT denuncia o crime à OEA 

Dez anos após o assassinato do ex-prefeito de Campinas, Toninho do PT, a família da vítima prepara uma denúncia que será apresentada à Organização dos Estados Americanos (OEA) por omissão do Estado Brasileiro na apuração do crime, que aconteceu no dia 10 de setembro de 2001. Na versão oficial da Polícia Civil, o prefeito foi morto porque atrapalhou a fuga da quadrilha de Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho. As informações são da CBN.     

Ao ser ouvido pela justiça, o criminoso negou os crimes. Andinho foi condenado, por vários crimes, a mais de 200 anos de prisão e cumpre pena na penitenciária de segurança máxima de Presidente Venceslau, no oeste de São Paulo. Os outros quatro acusados foram mortos em duas ações policiais. 

Em setembro de 2007, o juiz do caso, José Henrique Torres, decidiu negar por falta de indícios a denúncia de Andinho como coautor do crime. O caso foi reencaminhado à Polícia Civil, para novas investigações.