Protocolada CPI para apurar denúncias de trabalho escravo

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar denúncias de trabalho escravo foi protocolada por volta das 15h desta terça-feira (23) na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). O pedido do vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Casa, Carlos Bezerra Jr. (PSDB), somou 40 assinaturas - oito a mais do que o mínimo exigido - favorável à apuração do flagrante de trabalhadores que atuariam em condições análogas à escravidão no Estado.

Uma fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em oficinas na capital paulista e no interior encontrou diversos trabalhadores em condições análogas à escravidão ligados à Zara. A Inditex, dona da Zara e de outras marcas de roupas, afirmou que o caso envolve "terceirização não autorizada" de oficinas de costura por parte de um fornecedor brasileiro da companhia. Além disso, Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) investiga outras 20 gripes de roupas nacionais e internacionais, mas os nomes dos envolvidos não foram divulgados devido ao segredo de Justiça.

Para o deputado, a investigação da CPI não concorrerá com a realizada pelas outras esferas do Poder Público e buscará "somar esforços". "Nós vamos nos dedicar à grave violação dos direitos humanos envolvida nesse tipo de crime", afirmou.