Fiscais do Ibama são suspeitos de receber propina em SC

Fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) são investigados em Santa Catarina suspeitos de venderem licenças ambientais e receberem propina para embargar empreendimentos no Estado. O caso teria ocorrido em São José e Palhoça, ambos na região metropolitana de Florianópolis, e envolveria também dois grupos concorrentes do ramo de shopping centers.

Segundo o diretor do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), Renato Hendges, um pedido de propina de até R$ 200 mil teria sido feito a grupos empresariais, como se fosse um "leilão". Os servidores teriam cobrado de empresários para que a fiscalização embargasse as obras de um shopping center concorrente. A construção é realizada às margens da BR-101, na cidade de São José.

Ao mesmo tempo, os fiscais ainda teriam cobrado valores deste mesmo shopping para que suas licenças ambientais fossem liberadas. O suposto caso de extorsão apurado pela Polícia Civil também chamou a atenção da Corregedoria do órgão federal.

Um funcionário do Ibama apura as suspeitas levantadas em investigação policial. A corregedoria vai investigar a conduta dos servidores que teriam sido flagrados em conversas telefônicas realizadas com autorização da Justiça.

O Ministério Público Federal, que já pediu informações à Polícia Civil sobre o andamento das investigações, também promete entrar no caso.