Dilma: Brasil punirá crimes e coibirá abusos à dignidade

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira que o governo vai combater o crime e não tolerará abusos. Em discurso durante a cerimônia de recondução ao cargo do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, ela afirmou que os cidadãos têm "excelentes motivos para confiar em suas instituições."

"Onde ocorrerem maus feitos, onde o crime organizado atuar, nós vamos combater, com firmeza, utilizando todos os instrumentos de investigação e punição de que o governo dispõe", disse. "Mas, ao mesmo tempo, tenho do dever de afirmar que farei tudo o que estiver ao meu alcance para coibir abusos, excessos e afrontas à dignidade de qualquer cidadão que venha a ser investigado. Meu governo quer uma Justiça eficaz, célere, mas sóbria e democrática."

Dilma afirmou que o Brasil "é um país de bem, de pessoas honestas, que vivem do fruto do seu esforço pessoal, que abominam o crime e prezam a legalidade". Disse que, nos últimos anos, o País passou a ter um Ministério Público com "independência e autonomia", uma polícia "mais bem equipada", referindo-se à Polícia Federal, e um judiciário "eficiente e preocupado com a seriedade de suas decisões."

"Temos excelentes objetivos para confiar em nossas instituições, pois todos nós compartilhamos dos valores que balizam a Justiça: respeito aos direitos individuais, igualdade de todos perante a lei, respeito à dignidade humana e rigorosa presunção de inocência. Só assim teremos certeza de que a Justiça prevalecerá", afirmou