PPS vai entrar com representação contra ministro do Turismo

O Partido Popular Socialista (PPS) afirmou em nota neste domingo que vai ingressar com representação na Procuradoria-Geral da República contra o ministro do Turismo, Pedro Novais, por crime de prevaricação. A pasta está envolvida em uma investigação da Polícia Federal que afirma que dois terços do convênio de R$ 4,4 milhões entre o ministério e a ONG Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi) tenham sido desviados.

Segundo a nota, o partido irá argumentar que o ministro Pedro Novais "tinha informações sobre um esquema de corrupção na pasta e não tomou nenhuma providência para estancar o desvio de dinheiro público". "O ministro, no mínimo, prevaricou. Ao ser informado sobre as irregularidades sequer pediu a abertura de processo administrativo. Vamos acionar a PGR para apurar a sua conduta", afirmou no comunicação o líder do PPS na Câmara, o deputado federal Rubens Bueno, que vai protocolar o pedido na próxima semana.

As investigações da Polícia Federal começaram em abril, após um levantamento do Tribunal de Contas da União (TCU) que detectou irregularidades no contrato firmado entre o ministério e o Ibrasi. A proposta era capacitar 1,9 mil pessoas no Estado do Amapá. Uma das beneficiárias do esquema seria a deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP), de acordo com três depoimentos de testemunhas à PF. Ela é autora de emenda que destinou R$ 4 milhões para projetos de qualificação profissional na área de turismo no Amapá.