Trabalhadores protestam contra morte de nove em elevador de obra na BA

Centenas de trabalhadores da construção civil realizaram um protesto nesta quarta-feira contra falhas na segurança de grandes construtoras em Salvador (BA), após a morte de nove pessoas que ontem despencaram de mais de 20 andares em um elevador de uma obra na capital baiana. As manifestações ocorreram em frente ao local do acidente e no Cemitério Bosque da Paz, onde três vítimas foram enterradas.

O principal sindicato da categoria no Estado também anunciou uma paralisação de 24 horas dos trabalhadores em Salvador, que, segundo a entidade, conta com 80% de adesão. "Não há fiscalização suficiente e as empresas usam equipamentos obsoletos para lucrar mais às custas da insegurança dos funcionário", disse Raimundo Brito, um dos dirigentes do sindicato. A categoria estima que mais de duas mil pessoas tenham participado das manifestações.

Desde ontem, a obra onde as mortes ocorreram está interditada pela prefeitura. O local só será liberado, conforme o município, após a conclusão de laudos dos bombeiros e do Conselho Regional de Arquitetura e Engenharia (Crea). Segundo informações preliminares, o elevador, também chamado de balança, subia até o 32° andar, último do edifício comercial, quando bateu na altura do 20° andar e despencou, após o cabo de aço que sustenta o veículo se partir.

O sindicato aponta que o elevador estava obsoleto, com mais de 20 anos de uso, e garantiram que o a Superintendência Regional do Trabalho já havia notificado a mesma construtora responsável pela obra por questões de segurança. A entidade també informou que o Ministério Público do Trabalho convocou uma reunião entre a categoria e representantes de construtoras baianas. O objetivo será adotar novos critérios de fiscalização.

Em nota oficial, a construtora Segura lamentou o ocorrido e afirmou que o equipamento "estava funcionando dentro dos parâmetros de segurança e em perfeito estado de conservação".

Aumento do número de acidentes

O acidente que matou nove operários nessa terça-feira fez com que o setor da construção civil já registrasse um aumento do número de mortes por acidente de trabalho este ano na Bahia, com relação ao ano anterior. De janeiro a agosto, foram 70 acidentes com 15 mortes, ante 108 acidentes com seis mortes verificados em 2010. As informações são do Sintracom.

Em Salvador, o caso mais recente foi o de um operário que morreu eletrocutado quando desmontava uma construção e recebeu uma descarga elétrica, em junho deste ano, no Parque de Exposições da cidade. Em maio, dois operários morreram e um teve a perna decepada por vigas metálicas que despencaram de um guindaste em uma obra de um conjunto residencial.

Um trabalhador também morreu em janeiro deste ano quando despencou durante a reforma de pastilhas de um edifício residencial.