Reajuste para policiais e bombeiros não será 'na marra', diz presidente da Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), afirmou nesta quarta-feira que está havendo uma pressão exagerada por parte de alguns defensores do piso salarial nacional dos policiais e bombeiros militares. "Não dá para resolver as coisas na marra, não vamos tolerar esse tipo de atitude", disse ele.

Marco Maia recebe hoje representantes do movimento em defesa da PEC 300. Após ter permitido que policiais e bombeiros dormissem em um auditório da Casa na noite passada, em caráter excepcional, porque eles argumentaram que não tinham onde ficar, o deputado afirmou que da próxima vez, eles devem conseguir "antes um lugar para dormir".

"A pressão é justa, legítima e democrática, mas há limites. Vou pedir que se retirem e espero a sensibilidade dos policiais, porque este não é o lugar apropriado para ficarem. Imagine se todos os trabalhadores que tenham demanda vierem para cá, seria incontrolável", disse ele, que reafirmou que não há condições de votar a PEC 300 nas próximas semanas.

Ele afirmou que recebeu ontem pedido de todos os governadores para que o assunto seja analisado com cuidado, assim como outras propostas que criam despesas para os Estados. "A crise financeira internacional exige cuidado e paciência, pois não permite gastos extras que comprometam a estabilidade econômica e fiscal do país", ressaltou.