MP de São Paulo diz que incêndio no Butantan foi criminoso e acusa 5

A promotora Eliana Passarelli, do Ministério Público (MP) de São Paulo, informou nesta quinta-feira que o incêndio que destruiu o maior acervo de cobras, aranhas e escorpiões para pesquisa do mundo no laboratório de répteis do Instituto Butantan, em 15 de maio de 2010, foi criminoso. Segundo ela, cinco pessoas, entre diretores, pesquisador e engenheiro do instituto, serão responsabilizadas por incêndio culposo, quando não há intenção, mas assume-se o risco. As informações são da Globonews.

Conforme o MP, eles assumiram o risco ao não adotar as medidas de segurança necessárias e deixar materiais inflamáveis próximos às fontes de energia elétricas do local. Além disso, Eliana Passarelli afirmou que a reforma no prédio não teve alvará. Ela disse que 15 cobras e dois sapos morreram no incêndio e que o fogo destruiu 85 mil peças da coleção.