Juiz proíbe realização da Marcha da Maconha em Campinas

O juiz Maurício Henrique Guimarães Pereira Filho, da 5ª vara criminal de Campinas, proibiu, em decisão divulgada nesta quarta-feira, a realização da manifestação conhecida como Marcha da Maconha na cidade. O protesto estava previsto para ocorrer no próximo sábado, a partir das 13h, no largo do Rosário, centro de Campinas.

Segundo a decisão, não caberia ao magistrado, neste momento, "fazer qualquer juízo a respeito da pretensão de ver o porte e consequente uso" da droga, "mas sim analisar e, eventualmente, coibir práticas que encontram moldura em tipos penais incriminadores" e que nada têm a ver com a pretensão médica de alteração da legislação.

São Paulo

No sábado, em São Paulo, ocorreu uma manifestação similar. Aproximadamente 700 pessoas se reuniram no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp) para realizar uma passeata pela liberdade de expressão. O evento, que inicialmente seria pela legalização da maconha, foi alterado após uma decisão judicial que impedia qualquer menção à droga.

Ao menos três pessoas foram detidas, após a polícia determinar o fim do encontro. Bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo foram usados nos protestantes para dispersar a multidão.