Familiares de extrativistas mortos fecham ferrovia no Pará

Familiares e amigos dos extrativistas mortos, na terça feira, no sudeste do Pará, organizaram uma manifestação na região na região de Marabá, na manhã desta quinta-feira. De acordo com a Polícia Militar, eles fecharam um estrada de ferro que liga a cidade paraense de Carajás a capital maranhense de São Luís.

Segundo a polícia, às 11h não havia informações sobre conflitos e nem confirmação se a ferrovia já havia sido liberada.

Os extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva foram mortos no começo da semana após denunciarem extração ilegal de madeira na região.

Segundo dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT), entre 2001 e 2010, 377 pessoas foram assassinadas devido aos conflitos agrários no País. Dados da Ouvidoria Agrária Nacional, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, apontam que, no mesmo período, 58 pessoas foram assassinadas no Pará em confrontos por terra e outros 62 casos estão sob investigação no Estado.

Após a repercussão internacional que o caso ganhou, a presidente Dilma Rousseff (PT) determinou ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que a Polícia Federal (PF) seja acionada para investigar o assassinato dos dois líderes, ligados ao Conselho Nacional dos Seringueiros no município de Nova Ipixuna. Além da PF, o Ministério Público Federal e a Polícia Militar do Pará também estão investigando a morte do casal.