Serristas ameaçam não ir a convenção caso não haja acordo

Serristas ameaçam não comparecer à Convenção do PSDB caso não haja acordo para entregar a chefia do Instituto do Teotônio Vilela ao ex-presidenciável José Serra (SP). Aliados do ex-governador designaram o seu sucessor, Geraldo Alckmin, e o líder na Câmara, Duarte Nogueira, para tentarem renegociar com o presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra, as novas possibilidades de acordo.

A proposta inicial previa o ex-governador Alberto Goldman na secretaria-geral do partido, lugar ocupado pelo deputado Rodrigo de Castro (MG), aliado do senador Aécio Neves (MG). No entanto, sabendo das dificuldades de impedir a manutenção de Castro no posto, os serristas pedem agora a vice-presidência para Goldman. Quanto a Serra, insistem em reivindicar para ele a presidência do ITV.

A chefia do Instituto é preenchida através da indicação de Guerra, que desconsidera a possibilidade de retroceder do convite já feito a Tasso Jereissati, ex-senador pelo Ceará, para ocupar o posto. Para aecistas, Serra no ITV criaria outra estrutura e desagregaria ainda mais o partido.

O presidente do partido alega a correligionários que pretende negociar com serristas. No entanto, não admite retirar o convite feito a Jereissati.

Serra e Guerra se encontraram nesta terça-feira para destensionar a relação. Aliados do ex-governador paulista viram no encontro uma sinalização de abertura para negociações a respeito de Serra no ITV. No entanto, o parlamentar não demonstrou aos aliados essa mesma disposição.

Os serristas partilham da opinião de que Aécio quer alijar Serra. E é com base nisso que justificam o isolamento do paulista no partido às vésperas da Convenção Nacional, prevista para acontecer neste sábado (28). Tucanos esperam que haja um acordo entre as duas alas até sexta-feira.