Senador Alvaro Dias cobra medidas contra livros do MEC

O líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR), entrou com representação contra o ministro da Educação, Fernando Haddad, na Procuradoria Geral da República para cobrar medidas administrativas e judiciais sobre denúncias envolvendo os livros didáticos distribuídos nas escolas públicas. Em discurso no plenário do Senado, Dias criticou os materiais com "erros de português" e que "criticam o governo de Fernando Henrique Cardoso e elogiam a atuação de Luiz Inácio Lula da Silva". As informações são da Agência Senado.

Na opinião do senador, os livros transmitem "um ensinamento que compromete a formação dos jovens". Ele também apontou nas obras "proselitismo político afrontoso à Constituição", argumentando que "criticam a gestão de um ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso".

Alvaro Dias disse ainda que o ministro Fernando Haddad foi convidado a comparecer na Comissão de Educação, Cultura e Esporte na semana passada para explicar o conteúdo dos materiais didáticos, mas não o fez. O parlamentar embasou a representação considerando que obras como o livro História e Vida Integrada, causam prejuízo ao patrimônio cultural e histórico brasileiro.

Segundo o senador, Haddad infringiu o artigo 206 da Carta Magna, que prevê como princípio do ensino brasileiro a gestão democrática do ensino público, e a garantia do seu padrão de qualidade. "Há que haver responsabilização. O Ministério da Educação não é comitê eleitoral. O livro didático não é panfleto doutrinário ou partidário", afirmou.