Só 3% dos tatuadores em SP seguem lei e mantêm cadastro

De um total de 3 mil tatuadores estimados pelo sindicato da categoria (Setap) na cidade de São Paulo, apenas 104 (3%) mantêm cadastro na Secretaria da Saúde, respeitando a lei municipal aprovada há oito meses. De autoria do vereador Dalton Silvano (desfiliado recentemente do PSDB), a lei determina que tatuadores e profissionais que colocam piercing e fazem maquiagem definitiva usem aventais, óculos especiais, máscaras e luvas cirúrgicas para proteger a si próprios e aos clientes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O presidente do Setap, Antonio Carlos Ferrari, confirma que "a lei não pegou, porque não há fiscalização", tanto que nenhum agente da Prefeitura apareceu em sua loja desde que a lei foi promulgada, em setembro. Ele destacou que é favorável ao uso dos equipamentos, pois protegem o tatuador de doenças como a hepatite C, que podem ser transmitidas por contato com o sangue do cliente. Ele critica, porém, a pouca participação do setor na elaboração do texto. "Foi aprovado da noite para o dia." De acordo com a Secretaria de Saúde, desde a publicação da lei, em setembro de 2010, até 26 do mês passado, foram realizadas 26 inspeções, 5 interdições parciais e uma total de serviços que apresentavam irregularidades.