Dilma pede que ministra da Cultura "fique firme"; apoio é tema em reunião

A presidente Dilma Rousseff deu, na quarta-feira, um sinal de apoio à permanência de Ana de Hollanda no cargo de ministra da Cultura, o que foi colocado em dúvida nesta semana por setores do PT e do governo. Dilma cruzou com a ministra ao deixar o salão nobre do Planalto, se voltou para ela, colocou as mãos em seus ombros e disse, antes de entrar no elevador privativo: "Fica firme, Ana". No centro de uma crise dentro da própria pasta e junto ao meio cultural, a ministra retribuiu com um sorriso. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Mais tarde, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, reforçou o apoio da presidente em reunião de duas horas no Ministério da Cultura com 15 secretários da pasta e das entidades vinculadas. Carvalho disse que Dilma apoia as políticas da ministra, inclusive a ampliação do debate sobre a mudança na Lei de Direito Autoral, um dos focos de insatisfação no PT.

O ministro avisou que quem tentar "desestabilizar" a ministra vai "quebrar a cara". O recado foi entendido como uma forma de cessar o "fogo amigo" do segundo escalão. Após a reunião, os secretários e órgãos vinculados ao ministério divulgaram nota na qual repudiam "a forma como o ministério vem sendo atacado por aqueles que insistem em não reconhecer o diálogo e as ações concretas empreendidas nesses primeiros 120 dias".

Além dos direitos autorais, as críticas à ministra se devem à suspensão de pagamento de convênios e à retirada do selo Creative Commons (licença para uso de conteúdo) do site da pasta. A campanha contra ela no PT começou quando foi cancelada a nomeação do sociólogo Emir Sader para presidir a Fundação Casa de Rui Barbosa.