Arquidiocese de Natal suspende padre acusado de pedofilia

NATAL - Depois das denúncias de tentar abusar sexualmente de um menino de 10 anos, o padre José Irineu da Silva, da paróquia de Ipanguaçu (distante 214 km de Natal), foi suspenso pela Arquidiocese de Natal. Já o delegado da cidade onde o suposto crime ocorreu, Caetano Bauman, confirmou que irá pedir a prisão preventiva do sacerdote.

Segundo a mãe do menino, em depoimento à Polícia, no dia 28 de abril na localidade de Arapuá, zona rural de Ipanguaçu, a criança se preparava para participar da Primeira Eucaristia quando o padre teria tentado abusar da criança tocando em partes íntimas. "Só não aconteceu o pior porque o meu filho correu", disse a mãe no depoimento ao delegado.

A mulher relatou que chegou a procurar o padre no dia seguinte ao ocorrido. O sacerdote teria justificado o caso afirmando que "a carne é fraca". O delegado diz que chama atenção a riqueza de detalhes com que a criança conta o caso.

Em comunicado emitido pelo vigário geral da Arquidiocese de Natal, padre Aerton Sales da Cunha, o padre Irineu está com as atividades sacerdotais suspensas cautelarmente. "O delito em questão, do ponto de vista canônico, é de competência exclusiva da Congregação para a Doutrina da Fé para a qual a Arquidiocese já fez as devidas comunicações. O delito ora denunciado é reprovável e uma vez comprovado deve ser punido severamente", diz a nota oficial assinada pelo padre.