Café da manhã reúne mães de policiais e de moradores do Pavãozinho

Toda mulher devia passar pela experiência de ser mãe." A frase de Juçara da Rocha resume o sentimento de muitas outras mães, como Cricia Carvalho. As histórias das donas de casa são parecidas: elas se dedicaram para que seus filhos pudessem ter um futuro digno. Para Juçara, o amor já rendeu frutos. Sua filha, a policial Glória, é uma das responsáveis pela paz no Pavão-Pavãozinho e Cantagalo. Já Cricia espera ver as pequenas Ana Lara e Ana Carolina se tornarem grandes mulheres. Hoje (6/5), elas e mais 50 mães puderam trocar experiências na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) das comunidades durante um café da manhã especial.

O encontro entre as mães de policiais da unidade pacificadora e de moradores das comunidades, promovido pelo comandante da UPP do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, no Espaço Criança Esperança, capitão Leonardo Nogueira, marcou o Dia das Mães nas comunidades. No café da manhã, as convidadas conversaram sobre educação familiar e o orgulho de ser mãe. Comemorada no próximo domingo (8/5), a data serviu para aproximar ainda mais a quinta Unidade de Polícia Pacificadora do Estado do Rio, inaugurada em dezembro de 2009, dos onze mil moradores da região.

- Estamos celebrando o Dia das Mães da paz, antecipando a festa na comunidade. Este café da manhã demonstra o clima de harmonia que vive os morros hoje: podemos trazer nossas mães para conhecer as mulheres de família de comunidades antes dominadas por criminosos. Foi muito emocionante trazer minha mãe, Dona Dulce, meu filho Daniel e minha esposa Márcia nesse encontro. Foi um evento familiar - afirmou o capitão Leonardo Nogueira.

O orgulho de ser mãe de uma policial

Dona Juçara não esconde o orgulho de ver sua filha, a soldado Glória, de 29 anos, entre os 300 policiais da tropa que protege milhares de cidadãos através da pioneira política de pacificação do Estado do Rio de Janeiro. A dona de casa e a policial militar chegaram de mãos dadas ao evento. A soldado fez questão de apresentar seu ambiente de trabalho, seus colegas de farda e os moradores das comunidades à sua mãe. Para Juçara da Rocha, encontrar com outras mães e dividir histórias foi inesquecível.

- Foi a primeira vez que vim até o Pavão-Pavaozinho e Cantagalo, e gostei bastante desse encontro e das conversas com outras mães. Foi um dia muito especial. Tenho muito orgulho da Glória e desejo a todas as mães que tenham o relacionamento tão bom com seus filhos como eu tenho com a minha menina: somos melhores amigas - contou, emocionada, a mãe da policial, que está na Unidade de Polícia Pacificadora há seis meses.

Com a paz, um futuro melhor para suas filhas

Depois da chegada da UPP na comunidade onde nasceu, no Morro do Cantagalo, Cricia Carvalho viu a esperança de oferecer uma vida melhor para suas filhas Ana Lara, de 5 meses, e Ana Carolina, de 5 anos, renovada. E conversar com mães de policiais com os quais convivem suas meninas aumenta as expectativas da jovem. No café da manhã, Cricia, que faz parte do projeto Mulheres da Paz e serve como intermediária entre o poder público e as comunidades, aproveitou a oportunidade para falar sobre as mudanças nas comunidades.

- Foi muito interessante conversar com as mães dos policiais e saber como foram criados. Me senti em casa durante esse lindo café da manhã. O evento foi super especial. Com a comunidade pacificada, acho que será ainda mais fácil ser mãe, porque elas podem ver o exemplo vivo do que é correto, digno. O futuro das minhas filhas, com certeza, será melhor - disse Cricia, que, como todas as mães do evento, foi presenteada com flores.