Romário reclama que congresso legisla pouco

Em entrevista ao 'JB', o ex-jogador e agora deputado critica a quantidade de medidas provisórias e diz que não liga para pressões nem para a imprensa

Romário continua o mesmo: polêmico e falando o que quer – mesmo como deputado federal pelo PSB do Rio. A postura de aprendiz no mundo da política não pode ser confundida com humildade, adverte o ex-jogador. Já envolto em controvérsias, afirma que se quisesse ir para a Espanha – em missão oficial da Câmara, mas que previa assistir a um jogo entre o Barcelona e o Real Madrid – não seria a pressão da imprensa que o impediria, apesar de argumentar que desistiu da viagem por causa de uma cirurgia no ombro – para retirada de um queloide. Por outro lado, apoia a instalação de uma CPI para investigar a CBF e garante que não se curva a pressões. Romário dá mostras de que está se habituando à nova empreitada quando diz já ter percebido que na Câmara se legisla pouco com uma pauta de votações repleta de medidas provisórias.  

Você desistiu da viagem à Espanha para pôr fim à polêmica de que a visita ao Parlamento espanhol seria uma desculpa para assistir ao jogo Real Madrid x Barcelona? 

Tenho uma cirurgia no ombro marcada para esta semana, e o cirurgião vai viajar no feriado, então teve que ser antecipada. Mas, se eu tivesse que viajar, arcaria com a minha despesa, porque é justo. O convite partiu da presidência da Câmara, acredito que deva ser oficial, e, por isso, seria bem normal que a Casa arcasse com os  gastos. Quando entra o jogo, as pessoas confundem. Deixam de entender que é uma coisa oficial. Não fui porque não quero mais. Não é porque a imprensa questionou. E, se tivesse que ir, seria um prazer ver o Barcelona ganhar de novo do Real Madrid.

 

>> Leia a entrevista completa no JB Premium