Ministro autoriza acesso de Dantas a documentos sobre mensalão

O banqueiro Daniel Dantas poderá acessar os documentos relativos ao Inquérito 2.474, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) paralelamente à Ação Penal 470, sobre as responsabilidades do esquema conhecido como mensalão. O acesso foi autorizado pelo ministro Joaquim Barbosa.

O inquérito, instalado em 2007 durante as investigações do processo principal sobre o mensalão, corre em segredo de Justiça. Nele, foi incorporado, em fevereiro deste ano, o relatório final da Polícia Federal (PF) sobre o suposto esquema de corrupção instalado no governo federal, revelado em 2005.

O pedido da defesa de Dantas será atendido apenas em relação aos anexos que se encontram no gabinete de Barbosa, uma vez que o corpo principal do processo está na Procuradoria-Geral da República (PGR). O chefe da PGR, Roberto Gurgel, está analisando o relatório para decidir se oferece novas denúncias a partir dos novos personagens e situações trazidos pelo relatório da PF.

A PGR também deverá se manifestar, em cinco dias, sobre o pedido da defesa de Dantas para a instalação de uma investigação criminal a fim de apurar as responsabilidades pelo vazamento do relatório da PF. No início do mês, reportagem da revista Época divulgou detalhes sobre o documento que integra o inquérito sigiloso.

Mensalão
O mensalão veio à tona em junho de 2005, quando ex-deputado Roberto Jefferson, denunciou a história de corrupção no País. Com isso, sobrevieram as investigações e uma CPI. O procurador-geral da República qualificou o grupo como uma "organização criminosa", liderada pelo primeiro-ministro informal desse governo, o petista José Dirceu.

O relatório final da Polícia Federal sobre o caso do mensalão está sobre a mesa do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e deverá seguir em breve para o gabinete do ministro Joaquim Barbosa, o relator do caso do mensalão no Supremo Tribunal Federal.