Presidente da Embratur teme queda do turismo interno por causa dos altos preços

A Embratur não registrou, até o momento, diminuição do turismo interno em relação à entrada de turistas estrangeiros no Brasil, apesar de o gasto dos brasileiros no exterior ter aumentado 52% no ano passado, em comparação a 2009. Esse foi o maior crescimento de gastos com turismo de um país no mundo, de acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT).

O presidente da Embratur, Mário Moysés, admitiu, entretanto, que pode vir a ocorrer a redução do fluxo do turismo interno, em comparação com o número de visitantes externos no país. “Porque, na verdade, o mercado é um só. É um mercado internacional e os destinos de fora podem concorrer com os de dentro. Até hoje, como houve um ingresso muito grande de novos turistas, não houve um impacto de arrefecimento da atividade do mercado interno em face da concorrência de destinos de fora”.

De acordo com dados divulgados hoje (15) pelo presidente da Embratur no Brazil International Tourism Exchange (Brite), no Rio de Janeiro, a média de gastos do turista estrangeiro no Brasil foi de US$ 1,146 mil em 2010 contra US$ 1,104 mil no ano anterior. Esse valor se refere ao período de permanência média de dez dias no país.

O fluxo de turistas estrangeiro cresceu 7,48% no ano passado. Os países da América do Sul enviaram ao Brasil mais de 2 milhões de turistas em 2010, liderados pela Argentina, com quase 1,4 milhão turistas. Do total de visitantes estrangeiros, 45% vieram ao Brasil em viagem de lazer, 25% a negócios e 30% para visitar amigos e parentes, fazer tratamento de saúde ou estudar.