Governo minimiza estudo do Ipea sobre aeroportos para a Copa

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), minimizou nesta quinta-feira o resultado do estudo e disse que o Ipea levou em conta dados atuais sobre os aeroportos brasileiros. Segundo o líder do partido governista, a expectativa é que a situação mude conforme forem feitos os investimentos previstos pelo governo.

"Não só com investimentos, que estão inteiramente garantidos, seja pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), seja pelo BNDES. Principalmente nossa certeza de que os prazos serão respeitados é que nós teremos um processo de tratamento das obras para a Copa e para a Olimpíada diferenciado, desde as licitações, passando pela concentração de ações que o governo deve realizar. Não tenho interesse em contestar o estudo, mas tenho convicção de que essa realidade mudará em breve e que já para a Copa das Confederações nós estaremos pontos pra receber todos os turistas que virão para o Brasil", afirmou.

O estudo do Ipea gerou fortes críticas de parlamentares da oposição. O líder do PSDB, senador Alvaro Dias (PR), chegou a dizer que o Brasil deveria desistir de sediar a Copa do Mundo de 2014. "Diante dessa situação, seria melhor o governo brasileiro pedir desculpas para a Fifa e abrir mão de realizar a Copa do Mundo. A continuar nesse ritmo em obras de infraestrurura, aeroportos, utilização do dinheiro público como vem sendo utilizado, estádios com dinheiro público, seria melhor para o País que o governo pedisse desculpas e devolvesse o projeto da copa 2014 para que a Fifa escolhesse um novo país", declarou.

O deputado Márcio Moreira (PP-MG), ex-servidor do Ipea e relator do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2012 na Comissão Mista de Orçamento do Congresso, criticou a publicação tardia do estudo. "Até lamento que o Ipea só tenha falado isso agora. Eu já fui do Ipea e posso falar. O Ipea já devia ter puxado a orelha do governo desde quando aprovamos a realização da Copa do Mundo", disse.

Estudo do Ipea

Na manhã desta quinta-feira, o Ipea divulgou uma nota técnica com um levantamento dos aeroportos que devem passar por obras para comportar a quantidade de turistas que a Copa do Mundo em 2014 vai atrair para o Brasil.

Segundo o estudo do instituto, dez dos 13 aeroportos das cidades-sede que precisam ser reformados não ficarão prontos a tempo da Copa de 2014. De acordo com o levantamento, as obras nos aeroportos de Manaus (AM), Fortaleza (CE), Brasília (DF), Guarulhos e Campinas (SP), Salvador (BA) e Cuiabá (MT) ainda estão na fase de elaboração dos projetos e, por isso, só devem ficar prontos daqui a 92 meses, período que corresponde a mais de sete anos e meio.

Os terminais de passageiros de Confins (MG) e Porto Alegre (RS) já estão com os projetos prontos e, por isso, terão as obras concluídas mais cedo - ainda assim, não será a tempo para a Copa de 2014. De acordo com o levantamento, as reformas nesses aeroportos deverão levar 80 meses, ou seis anos e meio, para ficarem prontas.

Dos dez aeroportos em situação crítica, o pior deles é o de Natal, no Rio Grande do Norte. Será necessário construir um novo prédio e, de acordo com dados fornecidos pela Infraero, não há previsão para o fim das obras. Segundo o Ipea, não há tempo hábil para terminar as obras de um novo aeroporto a tempo do Mundial.

A Infraero, administradora dos aeroportos brasileiros, foi procurada pelo Terra e afirmou que se pronunciaria em nota sobre as obras. Até a noite desta quinta, no entanto, a empresa não havia divulgado a resposta.