Polícia prende mais 2 suspeitos por morte de professor em PE

A Polícia Civil prendeu mais dois suspeitos de participar da morte do professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Élio Meneses Pacheco, 46 anos. De acordo com a delegada Gleide Ângelo, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), José Edenílson dos Santos, 19 anos, foi convencido por seu pai a se entregar. O pai do jovem também entregou à polícia um adolescente de 17 anos, que teria participado do crime.

O professor era chefe do Departamento de Eletrônica da UFPE e foi encontrado morto com um tiro na cabeça na região metropolitana do Recife (PE) no dia 25 de março, mais de uma semana após desaparecer. Segundo o DHPP, ele foi vítima de latrocínio (roubo seguido de morte).

Além de José Edenílson e do adolescente, o limpador de piscinas Mário Pereira dos Santos, 22 anos, também participou do crime. Preso na última sexta-feira, Mário disse à polícia que conheceu o docente quando ele visitou um imóvel à venda. O jovem confessou a intenção de apenas roubar o carro de Pacheco, mas, por temer que o professor identificasse o trio posteriormente, o grupo achou melhor matá-lo.

Segundo as investigações, no dia 16 de março, o trio esperou o professor sair do prédio onde morava e fez a abordagem. O docente foi colocado no porta-malas do carro, enquanto os jovens subiram ao apartamento para roubar objetos. Após a execução, eles teriam jogado o corpo em um matagal e seguido para um posto de combustível, onde compraram gasolina para queimar o carro do professor com os cartões e documentos do docente.

José Edenílson era procurado pela polícia do município de Lagoa dos Gatos, onde respondia pelo crime de roubo a carros. Ciente de que seu filho corria o risco de ser preso ou até mesmo morto, o pai do jovem o convenceu a se entregar às autoridades no último sábado. "A gente já sabia onde ele estava. O pai preferia ver ele preso do que morto", disse a delegada Gleide Ângelo.