Sobrinho nega influência de suposta filha em cremação de Alencar

BELO HORIZONTE - O advogado Rodrigo Guarçone, sobrinho do ex-vice-presidente da República José Alencar, disse que a decisão da família de atender o desejo pessoal dele para que seu corpo fosse cremado não tem ligação com o processo que corre na Justiça mineira, movido pela professora Rosemary de Morais, 55 anos, que alega ser filha do político. Segundo ele, essa é uma decisão que caberá à Justiça e o ônus da prova é da família, e não da professora. "A decisão que temos até agora é pela cremação", afirmou.

Porém, no cemitério do Bonfim, onde está o mausoléu da família Alencar, há um esquema pronto caso a decisão seja por um enterro. A cerimônia de cremação estava marcada para ter início às 14h em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Rosemary disse que vai esperar um posicionamento da família antes de tomar qualquer decisão ou dar alguma declaração sobre o processo que julga a paternidade de Alencar. Em julho de 2010, a Justiça de Caratinga (MG) concedeu à professora o direito de ser reconhecida como filha do empresário.

Alencar se recusou a fazer o exame de DNA, e sua defesa contestou a decisão. Em setembro do mesmo ano, o então vice-presidente obteve no Tribunal de Justiça de Minas uma liminar para impedir o uso do sobrenome e a mudança do registro de nascimento de Rosemary. O recurso ainda será analisado pela corte.