Velório de Alencar ficará aberto ao público até as 23h

BRASÍLIA - O velório do ex-vice-presidente José Alencar, no Palácio do Planalto, ficará aberto ao público até as 23h. Nesta quinta-feira pela manhã, o corpo deixará Brasília, para ser levado a Belo Horizonte.

O corpo de Alencar chegou por volta das 11h ao Palácio do Planalto, onde será velado. Morto aos 79 anos depois de lutar por 13 anos contra um câncer de abdome, ele receberá honras fúnebres de chefe de Estado por sugestão da presidente Dilma Rousseff. Ele ocupou por cerca de um ano o cargo de interino no posto máximo do Executivo federal, sempre que o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva viajava ao exterior.

O avião da Força Aérea Brasileira (FAB) que fez o traslado do corpo do ex-vice pousou na Base Aérea de Brasília pouco depois das 10h desta quarta-feira e foi recepcionado pelo presidente em exercício, Michel Temer, pela viúva, Mariza Gomes da Silva, e seus filhos. Outras autoridades, como o presidente do Congresso, José Sarney (PMDB-AL), o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), e o vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, também estavam presentes.

A presidente Dilma, assim como o ex-presidente Lula, já embarcaram de Portugal para o Brasil a fim de comparecer ao velório de Alencar. Ambos anteciparam o retorno ao Brasil para homenagear o ex-vice-presidente.

Com honras de chefe de Estado, cadetes da Marinha, Exército e Aeronáutica levaram o corpo de Alencar pela rampa do Palácio do Planalto, onde foi novamente recepcionado pelo presidente em exercício, Michel Temer, e por familiares.

Uma missa apenas para a família do ex-vice-presidente e para autoridades será celebrada pelo secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Dimas Lara Barbosa, pelo Núncio Apostólico do Brasil, dom Lorenzo Baldisseri, e pelo representante da arquidiocese de Brasília, Aldemar Pacini Dalbelo.

 

Alencar enfrentava câncer desde 1997

O empresário mineiro e ex-vice-presidente da República José Alencar morreu às 14h41 de terça-feira, aos 79 anos, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. De acordo com nota oficial da instituição, Alencar morreu em decorrência de câncer e falência de múltiplos órgãos. Ele lutava contra a doença desde 1997. Ao todo, foi submetido a 17 cirurgias nos últimos 13 anos.

O ex-vice-presidente foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na segunda-feira, com um quadro de suboclusão intestinal, em "condições críticas". Ele havia recebido alta em 15 de março, após uma internação de mais de um mês na instituição devido a uma peritonite (inflamação da membrana que reveste a cavidade abdominal) por perfuração intestinal.

Alencar nasceu em 17 de outubro de 1931, num povoado às margens de Muriaé, cidade de 100.063 habitantes no interior de Minas Gerais, próxima à fronteira com São Paulo. Ele era casado com Mariza Campos Gomes da Silva, com quem teve três filhos.

Em 1967, em parceria com o empresário e deputado Luiz de Paula Ferreira, fundou, em Montes Claros, a Companhia de Tecidos Norte de Minas (Coteminas), hoje um dos maiores grupos industriais têxteis do País. Estabelecido no setor empresarial, candidatou-se para o governo de Minas em 1994 e, em 1998, conquistou uma vaga no Senado Federal pelo Estado. Elegeu-se vice-presidente na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002, tendo sido reeleito junto com o petista em 2006.