PF desmancha esquema que usava dinheiro da merenda escolar para comprar uísque

BRASILIA - Uma força-tarefa composta pela Polícia Federal, Controladoria-Geral da União (CGU) e Ministério Público Federal (MPF) deflagrou hoje, em Alagoas, a Operação Mascotch, destinada a desbaratar um esquema criminoso organizado para desviar recursos federais destinados à aquisição de merenda escolar. Os envolvidos se apropriavam dos recursos e os utilizavam no pagamento de compras pessoais, que
incluíram até a aquisição de uísque 12 anos, caixas de vinho e ração para cachorro.

Estão sendo cumpridos 16 mandados de prisão temporária e 28 mandados de busca e apreensão nos municípios alagoanos de Maceió, Arapiraca, Limoeiro de Anadia, Lagoa da Canoa, Girau do Ponciano, Poço das Trincheiras, Senador Rui Palmeira, Belo Monte, Estrela de Alagoas, Jacaré dos Homens, Quebrangulo, Feira Grande e Traipu. Dentre os mandados em cumprimento, há buscas sendo realizadas na sede das prefeituras de Girau do Ponciano, Poço das Trincheiras, Senador Rui Palmeira, Belo Monte e Estrela de
Alagoas.

Este trabalho é um desdobramento da Operação Caetés, executada em outubro do ano passado e que também investigou esquema de desvio de recursos da alimentação escolar. Na ocasião, foram cumpridos oito mandados de prisão temporária e 16 mandados de busca e apreensão nos municípios de Maceió, Arapiraca, Craíbas, Limoeiro de Anadia, Lagoa da Canoa e Traipu. A nova operação envolve o trabalho de 120 policiais e 10 servidores da CGU.

A investigação iniciou-se a partir da suspeita, levantada em fiscalizações da CGU, de que sempre as mesmas empresas vinham se alternando frequentemente como vitoriosas em licitações nos municípios citados. Entre 2007 e 2009, 13 licitações renderam ao grupo empresarial investigado contratos no valor aproximado de R$ 8 milhões.

A análise feita por auditores da CGU no material apreendido na Operação Caetés, assim como os depoimentos feitos à Policia Federal pelas pessoas presas naquela operação levaram a novas provas e implicaram nas irregularidades muitas outras pessoas, incluindo autoridades municipais.

Com isso, a Polícia Federal fez nova representação pelas prisões e buscas, visando, assim, a demonstrar todo o esquema de malversação de verbas públicas estruturado para apropriação de recursos destinados pelo Governo Federal ao custeio da merenda escolar e que se revelou maior do que o inicialmente projetado.

As autoridades com mandado de prisão expedido são: em Belo Monte, a primeira dama e ex-secretário municipal de Finanças; em Craíbas, a secretária de Educação; em Estrela de Alagoas, a ex-prefeita e a secretária de Educação; em Lagoa da Canoa, a secretária de Educação, a primeira dama/secretária de Assistência Social e ex-secretária de Finanças; em Limoeiro de Anadia, a primeira dama e o secretário de
Administração; em Traipu, a vice-prefeita, a primeira dama/secretária de Assistência Social, o secretário de Indústria e Comércio e o ex-secretário de Administração.