Mulher fura bloqueio e chega perto de Alencar durante velório

BRASÍLIA - Uma mulher conseguiu furar o bloqueio e tocar as mãos do ex-vice presidente José Alencar logo que o velório foi aberto, no início da tarde desta qiarta-feira, no Palácio do Planalto. A ex-servidora da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Marlene Celestino de Araújo, passou por baixo da corda que delimita a fila, chegou junto ao caixão e deixou um terço nas mãos do ex-vice presidente. Muito emocionada, ela contou que o conhecia e já admirava Alencar.

"Conheço o José Alencar, foi um guerreiro, um lutador, ajudou muito o ex-presidente Lula, então eu sinto, sinto muito. Ele está partindo para uma vida melhor. Eu disse para ele que gostava muito dele. Fiz muita novena para ele não morrer, eu não queria que ele morresse, preferia que eu fosse no lugar dele, eu nunca faço nada pelo povo e ele sempre falou que ia fazer, junto com Lula. A principal lembrança que eu tenho dele é ele pegando no meu rosto e me abraçando, quando o comboio dele chegava no Planalto, eu ia correndo", contou, chorando.

O velório foi aberto ao público pouco antes das 13h desta quarta, e há uma fila de pessoas do lado de fora para prestar as últimas homenagens a José Alencar, morto na terça-feira, após uma luta de 13 anos contra o câncer. Coroas de flores de todos os setores da sociedade chegam ao Palácio. O velório deve ficar aberto ao público até as 23h desta quarta. Uma missa está prevista para o início da noite de hoje, quando a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula chegam de Portugal. Ambos anteciparam a volta por conta da morte do ex-vice presidente.