Lula e Alencar choravam juntos por luta contra câncer, revela ministro

BRASÍLIA - Ex-ministro do governo Luiz Inácio Lula da Silva, e atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio Monteiro revelou nesta quarta-feira, durante a missa de corpo presente em homenagem a José Alencar, que tanto Lula quanto o ex-vice-presidente choravam juntos por conta das dificuldades da luta travada por Alencar por cerca de 13 anos contra o câncer. Lula, que estava em viagem a Portugal, cancelou parte de seus compromissos e já embarcou de volta ao Brasil.

"Imagino como o presidente está sofrendo. Ele tinha em José Alencar um irmão queridíssimo. Sofria na doença de José Alencar, chorava nas dores de José Alencar. Tenho absoluta certeza de que ninguém está sentindo mais a morte de José Alencar que o presidente Lula", disse Múcio ao participar da missa com honras de chefe de Estado no Palácio do Planalto.

"Esse bom humor, esse amor tão grande que ele tinha pelo Brasil fez que ele vivo já fosse uma unanimidade. Hoje o Brasil todo homenageia esse homem especial, uma referência para todos nós, para a política, empresários, para chefe de família. Ele foi um homem especial, e os seus exemplos serão sempre exemplos especiais e uma grande lembrança", completou o ministro do TCU, lembrando a "mineirice" de José Alencar e seus métodos de cobrar políticas do governo, em especial de redução da taxa básica de juros, a Selic.

"Sempre foi muito mineiro. A historia mais engraçada é ele que alertava que vice não tinha autoridade para mandar, mas pedia com muita veemência", resumiu.

Morto aos 79 anos depois de sucumbir a um câncer de abdome, Alencar recebeu honras fúnebres de chefe de Estado por sugestão da presidente Dilma Rousseff. Ele ocupou por cerca de um ano o cargo de interino no posto máximo do Executivo federal, sempre que o então presidente Lula viajava ao exterior.

O avião da Força Aérea Brasileira (FAB) que fez o traslado do corpo do ex-vice-presidente pousou na Base Aérea de Brasília pouco depois das 10h desta quarta-feira e foi recepcionado pelo presidente em exercício, Michel Temer, pela viúva, Mariza Gomes da Silva, pelos três filhos, Patrícia, Maria da Graça e Josué, e pelos quatro netos do ex-vice, Barbara, Josué, Ricardo e Davi.