Em Salvador, ambulantes se arriscam em mergulho improvisado

 

Para amenizar o calor de cerca de 32ºC na tarde desta quinta-feira, em Salvador, um grupo de vendedores ambulantes praticava um esporte perigoso, antes do início da jornada de trabalho. De cima de uma mureta na proximidades do Farol da Barra, pelo menos cinco deles mergulhavam no mar. Para retornar ao local, escalavam um paredão de pedras.

Apesar de as águas terem profundidade suficiente para o mergulho, o risco de um acidente por conta das pedras é alto. Porém, nada que impeça a diversão improvisada.

De acordo com Franco José de Matos Cruz, 30 anos, a prática é comum, principalmente no Carnaval. "Todo ano, quando venho trabalhar aqui, aproveito para dar uns mergulhos. É uma sensação muito boa, afirma ele.

Franquinho, como é conhecido, disse que iria passar a noit comercializando latas de cerveja para os milhares de foliões que acompanham a partir desta quinta-feira a apresentação dos blocos.

"A gente tem de chegar cedo aqui para guardar um bom lugar para a venda. Para passar o tempo, a gente mergulha e aproveita para se refrescar", diz.

Lorisvaldo da Conceição Santos, 16 anos, também aproveitou para mergulhar. "Onde moramos há uma ponte mais alta, e estamos acostumados a fazer isso". Ele nega que haja perigo, ainda que ele seja iminente. "O negócio é pular do lugar certo. Sabemos que as pedras estão mais para o outro lado", afirma.