Professora é morta durante ritual de candomblé no Recife

A Polícia Civil de Pernambuco prendeu, na tarde desta quarta-feira, três pessoas suspeitas de torturar e matar uma professora de 51 anos durante um ritual de candomblé no Recife. Foram detidos a mãe de santo Elizabete de Lima, 41 anos, o marido dela, Paulo Vitor Gomes, 23 anos, e o companheiro da educadora, Ailton Félix da Silva, que, de acordo com os policiais, foi autor do crime.

Em depoimento à polícia, Ailton contou que o crime aconteceu em 4 de fevereiro, quando, depois de torturada, Maria Iraci recebeu uma dose de uma injeção de uma substância não identificada, o que culminou em sua morte.

Na última sexta-feira, o Ailton indicou à polícia, em um açude na cidade de Surubim, o lugar onde estaria a professora. No local, um corpo que seria de Maria Iraci foi encontrado. No entanto, ainda é aguardado o laudo do Instituto Médico Legal (IML) para confirmar a identidade. Também será investigada a existência de outras vítimas, já que também foram achadas partes de corpos que não condizem com uma pessoa de 51 anos.

A mãe de santo Elizabete de Lima deve ser levada ainda nesta quarta-feira para a Colônia Feminina do Bom Pastor e os dois homens serão encaminhados ao Centro de Triagem, no município de Abreu e Lima, região metropolitana do Recife.

Maria Iraci Tavares de Moraes foi dada como desaparecida no dia 11 de fevereiro. Segundo os policiais, a educadora morava em um terreiro de candomblé, no bairro do Cordeiro, zona oeste do Recife, que pertencia à mãe de santo.

Os delegados Felipe Regueira e Joselito Amaral informaram ainda que a professora também era explorada financeiramente pelos proprietários do terreiro, já que ela teria sido induzida a depositar altas somas de dinheiro na conta de Elisabete de Lima.