Preso suspeito de aplicar silicone líquido em travesti em SP

SÃO PAULO - Um travesti de 43 anos foi preso na manhã de terça-feira no Cambuci, região central de São Paulo. Ele é suspeito de aplicar silicone líquido em outro travesti, de 22 anos, conhecido como Shelley, que morreu em dezembro do ano passado. Um inquérito policial que investiga a morte suspeita de Shelley foi instaurado para apurar o caso. A prisão foi feita por policiais civis do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

O travesti preso, um pernambucano conhecido como Elba, trabalhava na cidade hospedando travestis. Segundo a polícia, Shelley chegou a ser socorrida ao Hospital Geral de Vila Penteado, na Freguesia do Ó, na Zona Norte, após a aplicação do silicone. O produto gelatinoso aplicado nos seios e nádegas do travesti causou o entupimento dos vasos sanguíneos e resultou em uma embolia pulmonar, causando sua morte.

Ainda de acordo com a polícia, a mãe de Shelley, uma auxiliar de serviços gerais, de 44 anos, ao registrar o boletim de ocorrência no 28º DP (Freguesia do Ó), contou à polícia que no final do ano passado visitou o filho, que morava sozinho. Ela não se hospedou na casa dele, mas, dias depois ele a procurou dizendo que estava passando mal por ter tomado vários analgésicos para se livrar de dores.

Logo depois de reclamar de dores para a mãe, ele teve uma parada cardíaca e foi levado ao hospital, onde tentaram reanimá-lo. A mãe da vítima disse, ainda, que o filho era usuário de cocaína e "bomba" - marca da aplicação que foi injetada na nádega dele, e que estava vazando.