Suspeito de atropelar ciclistas diz que se apresentará na segunda

O delegado Gilberto Montenegro, da Delegacia de Delitos de Trânsito, disse neste domingo que o advogado do suspeito de atropelar um grupo de ciclistas na noite de sexta-feira, em Porto Alegre, afirma que o seu cliente vai se apresentar à polícia na manhã de segunda-feira.

Segundo o delegado, o advogado entrou em contato com a polícia e confirmou que o cliente é dono do veículo que atingiu o grupo de ciclistas, mas não disse se era ele que estava dirigindo o carro. O delegado não confirma se o homem representado pelo defensor é Ricardo José Neif, 47 anos, que havia sido identificado, em um primeiro momento, como proprietário do veículo.

O incidente aconteceu por volta das 19h no cruzamento das ruas José do Patrocínio e Luiz Afonso. De acordo com a Brigada Militar, 100 ciclistas participavam do passeio. A maioria escapou do atropelamento, mas 10 ficaram feridos, sendo oito com lesões, que foram encaminhados ao Hospital de Pronto Socorro.

Polícia apura se motorista agiu intencionalmente
O veículo foi localizado na noite de sexta-feira pela Brigada Militar. Segundo Montenegro, o automóvel estava bastante avariado, com amassados no para-choque dianteiro, na grade do radiador, nos faróis, no capô, na lateral direita e nos espelhos retrovisores, além de ter o para-brisa trincado. O delegado contabiliza pelo menos 15 bicicletas danificadas.

A polícia chegou até o automóvel depois de testemunhas anotarem a placa do veículo. O proprietário, identificado como Ricardo José Neif, 47 anos, não havia sido localizado até as 15h deste sábado. Ainda não se sabe se ele era o condutor no momento do incidente.

De acordo com o delegado, ainda não é possível afirmar que o motorista teve a intenção de atropelar o grupo de ciclistas. "Eu não sei o que aconteceu, preciso ouvir ele. Daí nós vamos ver se houve intenção", afirmou Montenegro. Caso fique comprovado o dolo, o condutor do veículo pode ser indicado por tentativa de homicídio.

Ciclista diz que pediu calma ao motorista
Um dos ciclistas que participava do passeio afirmou que pediu calma ao motorista do Golf preto momentos antes de ele atropelar 10 pessoas do grupo e fugir sem prestar socorro.

Camilo Colling, 31 anos, disse ter visto o atropelamento porque chegou ao encontro atrasado, ficando um pouco atrás do grupo principal. "Eu vi esse carro arrancando. Ele ameaçou os ciclistas, foi para cima da gente e freou. Depois, continuou indo atrás e ameaçando", afirmou. Camilo, ao ver a cena, bateu no vidro do carro e disse: "acho melhor o senhor manter a calma, pois é um passeio ciclístico. Há crianças e pessoas mais velhas, e o senhor terá que ter paciência".

Antes de jogar o veículo para cima do grupo, o homem teria respondido a Colling: "sim, mas eu estou com pressa". "Só deu tempo de puxar a bicicleta para o lado e ver as pessoas voando", afirmou o ciclista. O atropelamento assustou quem passava pela rua e também os moradores do bairro. O funcionário da prefeitura Marco Antonio da Silva Leal, 49 anos, disse que levou um tempo para entender o que estava acontecendo. "Pensei até que era uma briga. Quando eu vi, tinha gente voando. Foi triste. Tava tudo certo, mas veio esse cara completamente maluco", afirmou.

O major Maya, do 9° Batalhão da Brigada Militar (BM), também se surpreendeu com o atropelamento. "Em 30 anos de trabalho nessa área, nunca tinha visto isso", disse. Segundo ele, a BM ainda está apurando uma outra versão: a de que o motorista raspou em um ciclista e os outros o fecharam, o que teria causado o