STF mantém prisão preventiva de pagodeiro acusado de matar ex

 

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou na quinta-feira que seja mantida a prisão preventiva de Evandro Gomes Correia Filho, 38 anos, pagodeiro acusado de matar sua ex-mulher, Andréia Cristina Nóbrega, 31 anos, e de tentar matar o filho.

Em 18 de novembro de 2008, após uma discussão com Correia, Andréia caiu do terceiro andar do prédio onde morava, em Guarulhos, na Grande São Paulo, e morreu. O filho do casal, que tinha 6 anos, também caiu, mas sobreviveu. Apontado como autor do crime no inquérito, Correia permanece foragido.

Mendes afirmou que manteve o pedido de prisão com base na "necessidade de garantia da ordem pública e na periculosidade concreta do acusado". A prisão preventiva foi decretada pela Vara de Guarulhos no final de 2008, e mantida pelas instâncias superiores - o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) e Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O filho do casal, que sobreviveu à queda, afirmou à polícia que o pai havia usado uma faca para cortar a mangueira de gás do apartamento, e com o instrumento ameaçava a ex-mulher. A defesa de Correia alegou que Andréia se suicidou e que considera a prisão "desnecessária e arbitrária".

Em setembro do ano passado, Correia aproveitou a lei que impede prisões em período eleitoral e apareceu em São Paulo usando peruca, barba falsa, óculos escuros e bigode para declarar sua inocência em São Paulo. Segundo ele, o disfarce era para não ser reconhecido na cidade onde mora atualmente, no Nordeste.