SP: música erudita embala Peruche e Vai-Vai em 2011

 

As escolas de samba paulistanas Unidos do Peruche e Vai-Vai levarão para a avenida este ano o universo da dança contemporânea e da música erudita.

O centenário Teatro Municipal de São Paulo será retratado pela Unidos do Peruche no enredo Abram-se as cortinas! O espetáculo vai começar. 100 anos de Theatro Municipal de São Paulo. A Peruche vai apresentar! Bravo! Bravíssimo!, do carnavalesco Amarildo de Mello.

O carnavalesco, que também é museólogo e historiador, conta que a inspiração para este enredo surgiu na pesquisa para o desfile de 2010, baseado em fé e religiosidade. Desde março do ano passado, ele está trabalhando na pesquisa desse tema. "Está sendo um prazer trabalhar com aquilo que aprendi, com o que prego, do jeito que enxergo a cultura e com a crença de que podemos trazer a paz através da arte", diz Amarildo.

Nem só a pesquisa começou cedo, a produção no barracão da escola e a confecção de fantasias em ateliês, que agora estão na fase final, começaram em julho de 2010 e, até o momento, tiveram a colaboração de cerca de 200 profissionais.

Semana de Arte Moderna, dança e música erudita 

 A agremiação levará para a avenida três mil componentes, dos quais 800 são bailarinos de diversos grupos como o renomado Ballet Stagium. De acordo com Amarildo de Mello, uma das novidades deste ano é que cada alegoria da agremiação terá no mínimo 80 pessoas, algo incomum em desfiles de escolas de samba.

Eles estarão distribuídos entre os cinco carros alegóricos que abordarão o surgimento do Teatro Municipal, eventos importantes ocorridos no espaço como a Semana de Arte Moderna, concertos de grandes nomes da música erudita como Maria Callas, Carlos Gomes, Wagner, Verdi e Puccini e da dança como Ana Pawlova, Nijinsky e Isadora Duncan, e o futuro da música.

A primeira bailarina clássica do Teatro Municipal, Maria Pia Finócchio, sairá como destaque do carro O Lago dos Cisnes. A alegoria trará, ainda, esculturas de sapatilhas cor-de-rosa, dentro das quais desfilarão bailarinas-mirins.

À frente da bateria, estará a rainha Caroline Bittencourt, com quem o carnavalesco sonhava em trabalhar há seis anos. "Conheço a Carol Bittencourt desde 2005, quando era carnavalesco da Portela. A simpatia, a simplicidade e o glamour dela me deixou muito encantado desde aquela época. Era um desejo antigo e então eu fiz o convite a ela quando vim para São Paulo. Estou muito feliz por ter dado certo", diz.

Música erudita no Bexiga 
Já a Vai-Vai, tradicional escola do bairro paulistano do Bexiga, irá misturar música erudita com samba no Anhembi, na homenagem que fará ao maestro João Carlos Martins.

Um violino fará parte do time de harmonia da agremiação ao lado dos cavacos e violões e executará a melodia do samba da Vai-Vai, que tem como enredo A Música Venceu!, do carnavalesco Alexandre Louzada. "O maestro estará o desfile todo costurando essa mistura do erudito com o popular", promete o diretor de Carnaval da Vai-Vai, Lourival de Almeida Campos.

Com 13 títulos de campeã no currículo, a agremiação irá desfilar com aproximadamente quatro mil componentes, divididos em 37 alas. Uma das novidades deste ano é que o abre-alas será dividido em três alegorias distintas, unificadas por um sistema de acoplamento.

Segundo o diretor de Carnaval, os carros e as fantasias pretendem contar de forma muito lúdica e clara a vida do pianista. "A história do maestro é marcada por momentos de superação, como a da Vai-Vai que é uma escola que luta há 81 anos para ter uma quadra do tamanho da sua comunidade. João Carlos Martins também luta para perpetuar a sua arte, superando as adversidades e os problemas físicos todos", compara.

Conhecido como um dos maiores intérpretes do compositor Bach, João Carlos Martins teve que abandonar a carreira de pianista após perder os movimentos de ambas as mãos em 2003. Ele é responsável, ainda, por projetos de inclusão social por meio da formação musical de jovens de comunidades carentes.

Lourival de Almeida Campos conta que a escola já tinha tido experiência com o universo da música erudita quando foi campeã com o enredo "Acorda, Brasil", uma obra teatral do empresário Antônio Ermínio de Moraes. "Depois disso, começamos um trabalho artístico da nossa bateria com a orquestra Bachiana, do maestro João Carlos Martins, que se tornou um integrante e amante da Va-Vai", afirma.