Pedido impeachment do prefeito que mandou moradora 'morrer'

O vereador Joaquim Lucena (PSB) protocolou nesta sexta-feira, junto à presidência da Câmara dos Vereadores de Manaus, um pedido de impeachment contra o prefeito Amazonino Mendes (PTB), a ser avaliado pela Casa. O motivo foi um desentendimento que o político teve com uma moradora paraense da comunidade Santa Marta. O pedido deve ser lido na segunda-feira. Será preciso uma votação simples, metade dos votos dos vereadores, para formalização do processo que irá julgar o petebista.

Segundo Lucena, o prefeito não ofendeu apenas os paraenses, mas sim toda a população na medida em que feriu o direito de ir e vir. O vereador se apoiou no artigo 81 da Lei Orgânica do município, que diz que o prefeito será processado e julgado na medida em que proceder de modo incompatível com a dignidade e o decoro do cargo. Para o socialista, a lei é clara e o prefeito agora tem de responder por seus atos. "A lei existe para ser cumprida, cabe agora ao prefeito responder por suas atitudes", afirmou.

Em vídeo divulgado no YouTube, Amazonino fala com moradores sobre a necessidade de deixarem o local. "O senhor quer nos ajudar como, prefeito?", pergunta uma mulher. "Não fazendo casas onde não deve", disse o petebista. "Mas nós estamos morando aqui, prefeito, porque não temos condições de ter uma moradia digna", retrucou ela. "Minha filha, então, morra, morra!", disse o petebista. Em seguida, Amazonino perguntou à moradora em que cidade ela havia nascido. "Eu sou do Pará", disse. "Então pronto, está explicado", afirmou o prefeito.

Procurada, a assessoria da prefeitura afirmou que não irá se manifestar sobre o pedido. Mais cedo, a Secretaria de Comunicação divulgou uma nota na qual o prefeito pediu desculpas. "Se por ventura isso resultou no entendimento negativo contra o Estado do Pará, eu peço desculpas porque não foi essa a intenção, não tem nada a ver. Vocês paraenses são meus irmãos como são os amazonenses", disse.