Polícia do Pará prende 14 por fraude bancária em 5 Estados

A Polícia Civil do Pará prendeu na madrugada desta quarta-feira 14 suspeitos de fraudes bancárias no Estado, além do Maranhão, Rio Grande do Norte, Amapá e Rio de Janeiro. Dentre os detidos da operação Serpentina, há dois carteiros acusados de desviar correspondências de clientes. De acordo com a polícia, cartões eram passados para comparsas, que os desbloqueavam e financiavam festas, compravam produtos eletrônicos, eletrodomésticos e roupas de marca.

As denúncias chegaram por intermédio da reclamação de clientes que registraram boletim de ocorrência para comunicar que tiveram seus nomes usados por supostos golpistas em compras. Durante os últimos três meses, a polícia levantou informações de que o golpe partia do bairro Guamá, em Belém. Os trabalhos Delegacia de Repressão a Crimes Tecnológicos apontaram que o grupo gerou prejuízos em quatro agências bancárias. Em apenas uma, eles teriam obtido R$ 900 mil, dentre os R$ 3 milhões que teriam sido desviados no total.

Um dos presos é uma mulher que mora em um condomínio na rodovia Augusto Montenegro. Com ela, os oficiais apreenderam carros e artigos de luxo, além de produtos eletroeletrônicos e roupas caras. As investigações mostraram ainda que grande parte das correspondências com cartões desviadas eram procedentes de Macapá, no Amapá; de São Luiz, no Maranhão; e Natal, no Rio Grande do Norte.

Uma das vítimas foi um militar do Exército. Segundo os agentes, os suspeitos desbloquearam seu cartão bancário e entraram em contato com ele por telefone, passando-se por funcionário de banco, para confirmar dados pessoais.

Os presos e os produtos apreendidos foram levados à sede da Divisão de Repressão ao Crime Organizado na capital para responderem por estelionato, formação de quadrilha, receptação e peculato, no caso, dos funcionários dos Correios. As investigações continuam para identificar outros envolvidos.