Médico é acusado de vender atestado por R$ 50 a professores

 

Uma reportagem do Jornal Hoje desta quarta-feira mostrou um vídeo em que o médico e ex-prefeito de Severínia (SP) Isidro João Camacho vende atestados médicos para que professores não compareçam ao trabalho. Ele cobra R$ 50 por consulta e, de acordo com a gravação, deixa o cliente escolher o dia em que adoeceria e por quanto tempo seria a ausência. Segundo a reportagem, a Secretaria Municipal de Educação desconfiou dos 200 atestados emitidos pelo mesmo profissional em 2010. A cidade conta 196 professores. No ano passado, foram gastos R$ 250 mil para recompor aulas de professores que faltaram. Para o secretário municipal de Educação, José Carlos Moreira, o valor poderia ter sido empregado em merendas, reformas de unidades e outros fins.

"Quando eu fui prefeito, sempre entendi o lado dos professores. E o professor não está doente, precisa resolver assuntos particulares e tal, e acaba dando uma brecha", disse o prefeito na gravação. Uma professora de pré-escola foi flagrada afirmando: "eu nem entro no consultório, eu já pago e ele deixa pronto já". O médico negou as acusações, afirmou que beneficiou ninguém e negou que tenha emitido 200 atestados no ano passado.