MP-SP abre inquérito para investigar Paulo Preto

 

SÃO PAULO - O Ministério Público de São Paulo abriu um inquérito civil para apurar eventual favorecimento a parentes e enriquecimento ilícito do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto. O promotor de Justiça Roberto Antonio de Almeida Costa solicitou que Souza quebre espontaneamente os sigilos fiscal e bancário. Em caso de recusa, a medida poderá ser pedida à Justiça. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

A investigação apura como o consórcio Andrade Gutierrez/ Galvão, um dos responsáveis pela construção do Rodoanel, contratou de forma emergencial e pagou R$ 91 mil à empresa do genro e da mãe de Souza, à época em que ele era diretor da Dersa.

Segundo o advogado de Souza, José Luís Oliveira Lima, a defesa ainda não foi comunicada. "A postura de Souza à frente da diretoria da Dersa sempre foi pautada pela ética e pela legalidade", diz Lima.

O consócio Andrade Gutierrez/Galvão afirma que suas contratações têm fundamento técnico e são legais.