Ex-deputado federal é preso por assassinato cometido em Alagoas

MACEIÓ - Quarenta e oito horas depois do fim da sua imunidade parlamentar, o ex-deputado federal Francisco Tenório (PMN) - que não conseguiu se reeleger - foi preso na madrugada desta quinta-feira em Brasília e transferido nesta manhã para a capital alagoana. Ele é acusado de assassinar o cabo da Polícia Militar José Gonçalves, em um posto de combustíveis no bairro da Serraria, parte alta de Maceió, há 15 anos. A morte teria sido resultado de um consórcio entre deputados.

Francisco Tenório responde ainda a quatro processos, em segredo de Justiça. Em 2007, foi indiciado pela Polícia Federal por desviar R$ 300 milhões da folha de pagamento do legislativo estadual. Também foi indiciado por formação de quadrilha, peculato, lavagem de dinheiro e crime contra o sistema financeiro nacional. Os advogados do ex-deputado ainda não se pronunciaram sobre a prisão, solicitada pelo Ministério Público.

Outro ex-deputado, João Beltrão (PMN), barrado na lei da Ficha Limpa, também pode ser preso por responder pela morte do cabo Gonçalves. O deputado estadual Antônio Albuquerque (PT do B) também foi acusado de ser o autor intelectual, mas conseguiu se eleger. Os dois chegaram a ser presos pela Operação Resugere, da Polícia Civil, em 2009, acusados de pistolagem, mas acabaram soltos.