DF: técnicos fazem reparo e tráfego é liberado na ponte JK

Projetistas, engenheiros e técnicos da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) consertaram nesta sexta-feira um dos aparelhos de apoio que causou o desnível de 4 cm no piso da ponte Juscelino Kubitschek, em Brasília (DF). As vias foram liberadas nos dois sentidos, inclusive para ônibus. Os caminhões, no entanto, continuam proibidos de trafegar no local até a troca dos quatro aparelhos de apoio.

"Não existe risco à população com relação à trafegabilidade na ponte. Está proibido o tráfego de caminhões pesados. Fizemos a manutenção do que deu problema. Houve um desgaste desse equipamento, por falta de manutenção", afirmou o secretário de Obras do Distrito Federal, Luiz Carlos Pitiman.

De acordo com Pitiman, na próxima semana serão comprados os quatro aparelhos de apoio para a manutenção da ponte. Além disso, na segunda-feira o governo do Distrito Federal solicitará ao Tribunal de Contas da União (TCU) um contrato emergencial para que uma empresa monitore permanentemente o monumento. "Vamos informar ao TCU sobre todos os problemas. Nos próximos 15 dias, esperamos já ter uma empresa escolhida e o monitoramento já iniciado", disse.

Segundo ele, o Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran) manterá radares para monitorar a velocidade dos carros, que permanece limitada em 40 km/h.

Na quinta-feira, a ponte JK foi interditada durante quase todo o dia depois que foi constatado um desnível no piso. No final da tarde, a passagem foi liberada para veículos leves e para o tráfego em baixa velocidade.

Uma das três ligações do Plano Piloto com a cidade satélite Lago Sul ¿ considerada bairro nobre de Brasília - a Ponte JK tem 1,2 km de comprimento e é sustentada por três arcos. Sua arquitetura inovadora a fez ser considerada cartão-postal da cidade. Trafegam diariamente na ponte, segundo a Administração Regional do Lago Sul, 20 mil veículos.